Notícia

Drama

Amigo milionário de Trump acusado de abuso de menores encontrado morto na prisão

Jeffrey Epstein estava acusado de ter criado, há mais de uma década, uma rede para abusar de dezenas de meninas na sua mansão de Nova Iorque.
10 de agosto de 2019 às 14:50
Donald Trump e o pedófilo Jeffrey Epstein, tão amigos que eles são a falar de mulheres
O presidente dos Estados Unidos e o milionário condenado no passado e sob nova investigação surgem num vídeo dos anos 1990
Donald Trump, Jeffrey Epstein
Donald Trump, Jeffrey Epstein
Donald Trump, Jeffrey Epstein
Donald Trump
Donald Trump
Donald Trump
Donald Trump
Jeffrey Epstein
Jeffrey Epstein
Jeffrey Epstein
Jeffrey Epstein
Jeffrey Epstein
Donald Trump, Jeffrey Epstein
Donald Trump, Jeffrey Epstein
Donald Trump, Jeffrey Epstein
Donald Trump, Jeffrey Epstein
Donald Trump
Donald Trump
Donald Trump
Donald Trump
Jeffrey Epstein
Jeffrey Epstein
Jeffrey Epstein
Jeffrey Epstein
Jeffrey Epstein

O magnata norte-americano Jeffrey Epstein, acusado de abuso de menores, foi encontrado sem vida na cela da prisão de Lower Manhattan, onde aguardava julgamento. Segundo fontes oficiais revelaram à ABC News, citadas pela 'Sábado', o multimilionário suicidou-se.

Epstein, 66 anos de idade, já tinha sido encontrado semi-inconsciente na cela da prisão de Nova Iorque, com ferimentos no pescoço. O canal CNBC informou que antes desse primeiro incidente. Epstein recebeu vários documentos legais nos quais uma adolescente de 15 anos denuncia ter sido violada pelo magnata na sua mansão.

Dias antes, o juiz tinha negado o pedido de Epstein para ser colocado em prisão domiciliária, até ao início do julgamento. Acusado de tráfico sexual de menores, poderá ser condenado a prisão perpétua.

Príncipe André pode estar envolvido em escândalo sexual com uma menor
Príncipe André e Virginia Roberts
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
André e Isabel II
Príncipe André e Virginia Roberts
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
Príncipe André, Sarah Ferguson e Isabel II
André e Isabel II

De acordo com a procuradoria do distrito sul de Manhattan, Epstein criou, há mais de uma década, uma rede para abusar de dezenas de meninas na sua mansão de Nova Iorque, e numa outra situada na Florida.

O magnata já enfrentou acusações similares na Florida, mas em 2008 alcançou um acordo extraoficial com a procuradoria para o fim da investigação, tendo cumprido 13 meses de prisão e alcançado um acordo económico com as vítimas.

O acordo foi supervisionado pelo então procurador de Miami, Alexander Acosta, que foi posteriormente nomeado secretário do Trabalho pelo Presidente dos EUA Donald Trump, e que foi forçado a renunciar do cargo devido às críticas emitidas na sequência da nova detenção de Epstein.

Saiba mais sobre a ligação de Epstein e Trump aqui.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Mais Lidas

+ Lidas

Instagram

Instagram

Newsletter

Newsletter

Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável

;