Margarida Rebelo Pinto
Margarida Rebelo Pinto Pessoas Como Nós

Notícia

Com cinco letras apenas

É engraçado como as palavras mais belas e mais importantes têm três, quatro ou cinco letras. Mãe, pai, avô, avó, tio, tia, filho, paz, saúde, sonho, amor, fado. Beijo, abraço, toque, sim, não, já, agora, calma, vem, fica.
17 de abril de 2020 às 08:59
...
Com cinco letras apenas
Foto: Getty Images

Duas vezes por dia soa o toque da alvorada. O quartel é lá em baixo, está sempre com os portões fechados, nunca vi ninguém passar aquela fronteira, por isso nunca me lembraria que existisse se não fosse o toque bi-diário, o primeiro que me faz levantar cada manhã para me sentar a escrever, e o segundo para me lembrar que já passou mais um dia. 

Existe qualquer coisa de mágico nos sons ritualizados das nossas vidas: o choro dos nossos filhos, o ranger da porta cujas dobradiças chiam por umas gotas de óleo, os passos de quem amamos pela casa, o ritmo com que sobem e descem as escadas, e o mais belo som do mundo, que para mim é a palavra Mãe. 

É engraçado como as palavras mais belas e mais importantes têm três, quatro ou cinco letras. Mãe, pai, avô, avó, tio, tia, filho, paz, saúde, sonho, amor, fado. Beijo, abraço, toque, sim, não, já, agora, calma, vem, fica, ainda, bom, mau, frio, quente, mãos, braços, boca, peito, voz, alma, medo, raiva, zanga, amigo, colo, cama, mimo, paixão, hoje, ontem, amanhã. Cinco letras e está lá tudo, ou quase. Quase também conta. E falta. Faltam as outras palavras importantes, talvez por serem mais compridas, sejam mais difíceis, mais complexas, ou apenas mais traiçoeiras: desejo, futuro, esquecimento, pressentimento, relacionamento, casamento, divórcio, mentira, omissão, desastre, cataclismo, pandemia, empréstimo, cobrança, fatura, amargura, compromisso, entrega, saudade. Prefiro as palavras com poucas letras, pronunciadas na magia do imediato que cabe em apenas uma ou duas sílabas. Como chuva, vento, dia, noite, sol, lua, nuvem, bênção, santo e afinal.

Afinal a vida é sempre outra coisa, digo-o e escrevo-o tantas vezes, por causa de tudo e sobretudo por causa do novo inimigo que a Humanidade enfrenta, aquele que pode chegar a todos, que tanto nem se sente como mata, que nos faz andar de máscara e de luvas, que nos impede de abraçar quem mais amamos e de sermos livres. Outra palavra difícil, complexa ou apenas traiçoeira, liberdade. Ou verdade. Ou ainda amizade. Diz uma sábia amiga de longa data que ao longo da vida são mais os amigos que se perdem do que aqueles que guardam, uma conta aparentemente absurda, mas infelizmente real, e eu acho que ela está certa. Mas não faz mal. Não faz mal, porque mesmo que o monstro pandémico nos prenda os movimentos e nos afaste daqueles que amamos, existe a crença, mais uma palavra com cinco letra apenas, que nos faz vencer o terror e passar o portão para aquele abraço que tanta falta nos faz. 

A cada manhã, imagino que o toque da alvorada simboliza um abraço, cada dia penso em alguém diferente que o merece, fecho os olhos e faço do meu sonho realidade. Talvez precise de novos sonhos, se calhar precisamos todos. Já tenho a minha lista, e quem me lê, será que irá fazer a sua quando terminar de me ler? Espero que sim, porque sem sonhos somos apenas autómatos esvaziados pela realidade. O sonho comanda a vida e mesmo enquanto o mundo não avança lá fora, podemos sempre encontrar caminhos cá dentro para ir chegando ao nosso destino, que em cinco letras apenas, se chama sorte.

Mais notícias de Pessoas Como Nós

Mergulhar no futuro

Mergulhar no futuro

Agora, enquanto a ameaça da pandemia pairar sobre Portugal e o mundo, espero pacientemente por aquele momento mágico em que vou poder voltar a mergulhar no mar. A vida ensinou-me a mergulhar no futuro, mesmo quando o futuro é um lugar vago e incerto.
Com cinco letras apenas

Com cinco letras apenas

É engraçado como as palavras mais belas e mais importantes têm três, quatro ou cinco letras. Mãe, pai, avô, avó, tio, tia, filho, paz, saúde, sonho, amor, fado. Beijo, abraço, toque, sim, não, já, agora, calma, vem, fica.
Claras em Castelo

Claras em Castelo

Estar fechada em casa não me custa, o que me custa é não ver o meu filho e os meus pais, as minhas sobrinhas e os meus irmãos, as minha amigas e amigos. Na verdade, o que me custa ainda mais, é não acreditar que, quando a pandemia passar, as pessoas não vão mudar. Agora acreditam que sim, estão paralisadas pelo medo, mas são apenas boas intenções, porque as pessoas não mudam.
Vou ali e já venho

Vou ali e já venho

Tenho 44 anos e herdei um andar no Dafundo, perto da estação. Era a casa dos meus avós, como sou filha única e neta única do lado da minha mãe, ela ofereceu-mo quando me licenciei. Agora estou fechada em casa como o resto do mundo e dou aulas aos meus alunos pelo computador.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
Joaquim Marques 18.04.2020

Abraço tem 6 letras

ESTRELA D'ALVA* 17.04.2020

Num tempo de pandemónio, tenho quase a absoluta certeza, que todos fazemos listas, sem jamais sabermos como havermos de concretizá-las. Gosto do absoluto, do simples, do carácter, gosto dos sons, das lembranças e preparo-me sempre para o futuro, não sei o que aí vem, apenas sei que a minha lista é pequenina, apenas tem "9" letras, mas se a trocar pelo diminutivo carinhoso, ficará, apenas com 5 letras, 2 consoantes e... 3 vogais. Coincidências apenas, mas tornam-se cada vez mais SONHO (5 letras), a realizar-se...
Sigo a verdade, mas perco-me, não consigo encontrar o final (5 letras)...

;